Texto normalContraste normalAumentar contrasteAumentar textoDiminuir texto Ir para o conteúdo

11/12/17 | Assessoria de Imprensa - SAP   Fotos: Divulgação/SAP

Agentes flagram drogas e placa de celular escondidas em chinelos e barra da calça de visitantes

Recorde de tentativas de entrada com drogas e celulares em presídios da região metropolitana da capital nos dias 9 e 10

São Bernardo do Campo

A mãe de um preso do Centro de Detenção Provisória (CDP) "Dr. Calixto Antonio" de São Bernardo do Campo foi surpreendida tentando entrar com porções de maconha fracionadas em pequenos invólucros costurados na extensão de uma das alças da sacola, que acomodava alimentação pronta, trazida pela visitante. Os invólucros foram percebidos em revista manual. O fato aconteceu no domingo, 10. No mesmo dia, o irmão de outro foi surpreendido também tentando entrar com ilícito: uma placa de micro aparelho de telefonia móvel, costurada na barra da calça que o visitante usava. O fato foi percebido pelo agente que operava o body scanner da unidade.

Guarulhos

Agentes da Penitenciária I "José Parada Neto" de Guarulhos flagraram 3 tabletes de maconha, escondidos em fundo falso de um pote com macarrão, trazido por irmã de detento da unidade no domingo, 10.

Mogi das Cruzes

Foram quatro apreensões no CDP de Mogi das Cruzes, sendo duas no sábado e duas, no domingo. No sábado, 9, agentes flagraram algo estranho no calçado que companheira de preso da unidade usava. Foi solicitado para que ela retirasse, onde foi constatado que haviam 29 invólucros de maconha e 16 invólucros de cocaína. Outra visitante também foi surpreendida na mesma situação , com chinelo contendo maconha e cocaína. No domingo, ao passar pelo aparelho body scanner, foi visualizado um volume no cós da calça de companheira de preso da unidade. Ao ser questionada ela confessou a presença de substância ilícita, tanto no cós quanto nas barras da calça. Foram apreendidos aproximadamente 7 gramas de maconha no cós e 21 gramas de cocaína nas barras. A mãe de outro detento da unidade também foi flagrada pelo body scanner tentando entrar com 29 gramas de maconha nas barras da calça que vestia.

Franco da Rocha

Agentes da Penitenciária Penitenciária I "Mário Moura Albuquerque" de Franco da Rochaflagraram no último sábado, 9, na área externa da unidade, próximos à muralha 12 pacotes que continham: 17 aparelhos celulares, 15 carregadores, seis cabos USB, cinco fones de ouvido, 18 baterias sobressalente, cinco chips sobressalente, uma porção de massa branca de massa epóxi. No domingo, 10, a mesma unidade foi vítima de outra tentativa de entrar com ilícitos: a companheira de um dos presos da Penitenciária I de Franco da Rocha foi surpreendida tentando entrar com cocaína e maconha, introduzidos no ânus.

Além das apreensões na Penitenciária I, a Penitenciária III "José Aparecido Ribeiro" de Franco da Rocha também foi vítima de uma tentativa de entrada com entorpecente no sábado, 9, quando uma visitante foi surpreendida tentando entrar portando cocaína, introduzida na genitália.

Capital

Na capital, no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Vila Independência, agentes flagraram duas tentativas de entrada com ilícitos no domingo, 9: numa delas, a companheira de preso da unidade tentou entrar com uma porção de invólucros de substâncias entorpecentes na alimentação. Já no CDP I de Chácara Belém, também no domingo, outra companheira de preso da unidade, foi surpreendida tentando entrar portando cocaína introduzida na genitália. Na Penitenciária de Parelheiros, no sábado, 9, companheira de detento da unidade foi surpreendida pelo scanner corporal tentando entrar com cocaína escondida em sua genitália. Na Penitenciária Feminina de Sant'Ana, no domingo, 10, irmã de sentenciada foi surpreendida tentando entrar trazendo, dentro da sacola com alimentação, uma bateria para telefone celular.

Santo André

No domingo, companheira de preso do CDP de Santo André foi surpreendida tentando ingressar na unidade portanto absorvente íntimo, que continha substância entorpecente detectados pelo scanner corporal.

Nesses e nos demais casos de apreensões, todos os ilícitos são levados para delegacias de Polícia para registro de Boletim de Ocorrência. No caso de visitantes, são ainda suspensos do rol de visitantes, além de responderem a processo criminal. No caso dos presos que receberiam os ilícitos, eles são isolados e respondem a Processo Apuratório Disciplinar.

aasassa
Topo